8 de abril de 2013

a letter to a younger me


Olá Cat com 15 anos, 

daqui quem te escreve és tu própria com mais dez anos. 

Estou a escrever-te para te dizer que essa sabedoria dos quinze anos não vale um cú. Tens muitas certezas mas, na verdade, não sabes nada. E, à medida que fores crescendo, a certeza que mais crescerá contigo será a de que poucas coisas que se possam dar por seguras. Mas não te preocupes, toda a gente da tua idade é assim. E tu e os teus amigos são até um pouco menos estúpidos do que os adolescentes vão ser uma década depois.

Essas tuas duas grandes amigas, com quem andas sempre, aquelas dos pactos de amizade, dos locais secretos, das cartas e bilhetinhos, IGC, sabes? Esqueeeeeeeeece. Hoje já não fazem parte da tua vida. Vais perceber também que isso são coisas de gaja. Se fossem rapazes, se calhar, tinham dito uns belos Vai-te foder! e ficava tudo bem. Mas é assim, a vida afasta as pessoas, mesmo que por enquanto possas não acreditar nisso. Vais ser mais selectiva e restritiva com os amigos. Vais aprender que quantidade não é qualidade e vais preferir ter poucos - dos bons - do que muitos (eu seeei, achas que eu sou louca, demente e que isto não faz sentido nenhum).  E a quantidade de  pessoas por quem pões as mãos no fogo? Em quem acreditas piamente? Também vais aprender que não podes arriscar isso por quase ninguém. Porque as pessoas surpreendem-nos. E porque as mãos são uma parte muito importante do corpo onde não desejamos ter uma queimadura de terceiro grau.


Sabes o teu namorado? É quase comovente ver a inocência com que acreditas que vão ficar juntos para sempre. O sempre é um conceito que, com a idade, adquire alguma relatividade. E o nunca também. E se te contasse a novela mexicana de má qualidade que vai ser esse fim de namoro, os rios de lágrimas que vais chorar, o peso que vais perder, os nunca vou gostar de mais ninguém!, o acreditar que esse sofrimento nunca vai ter fim... Ah ah ah! Desculpa estar a rir-me, vai ser mesmo uma fase má. Mas visto daqui isso parece tão ingénuo como ridículo e exagerado. 

Sabes as calças largueironas? Tão largas em baixo que tapam os ténis? Lembras-te do episódio em que a mãe te quis comprar umas justinhas e tu disseste do alto do teu nariz Mãe, escreve o que eu te digo: eu NUNCA mas NUNCA, vou deixar de usar calças largas! Portanto, tira daí a ideia de levar essas calças ridículas. Guess what? Vais deixar, oh se vais. E só vais lamentar não ter deixado mais cedo. Vais rir-te das fotos em que estás assim vestida. E fica já a saber que cintos fluorescentes, colares com guizos e brincos com picos não são a cena mais fixe de sempre. 

E por fim: não tenhas pressa para crescer. Ser crescido, às vezes, consegue ser uma grande seca. 

Beijinho, 

Cat

31 comentários:

disse...

Amei o texto e vejo-me a dizer quase tudo o que dissest á minha Né de 15 anos!

Boa semana*

joana vasconcelos disse...

desde a melhor amiga que se revela uma boa porcaria e com quem já não falo, ao primeiro namorado que era para sempre, á mãe que nunca tem razão até as calças largas e as sweats...isso também pode ser enviado à minha joana do passado =)

dropsofmagic disse...

Adorei o texto. Palavras verdadeiras. Quem me dera saber o que sei hoje também há cinco anos atrás.

Ana disse...

Pudessemos nós realmente receber uma carta dessas do nosso "eu" futuro, e muita dor de cabeça se poupava. Não só aos 15, mas também aos 25, aos 35 e por aí adiante.

Catarina de Carabá disse...

O que eu me rio de cada vez que me lembro do que dramatizava por qualquer coisinha sem importância nenhuma!

Jedi Master Atomic disse...

"Vais ser mais selectiva e restritiva com os amigos."

Só "vais ser" PORQUE tiveste as tais amigas que agora não fazem parte da tua vida e pudeste ver o que realmente queres das pessoas ou não ;)

Liana Andra Marques. disse...

Pudesse eu, e enviava MESMO uma carta... Para não sofrer pelo amor da minha vida da altura (pausa para me rir MUITO) e para avisar que podia ser menos certinha e divertir-me mais. ***

...Ju... disse...

Ai Cat, o que eu me ri!
E descobri que a Cat dos 15 anos, é parecida com a Joana com 15 anos. Então nas calças largas e nas amizades para toda a vida...

Mas deixa lá... Elas cresceram, ganharam algum juízo e aos 35 vão olhar para as de 25 e rir de outras tantas coisas! :)

Bernardo disse...

ser criança é mais divertido é :)

mary disse...

Será que tirámos todas o curso de adolescente no mesmo lado? É que eu, aos 15 anos, fui igual. Igualzinha! E essas calças largueironas em baixo da "Resina" renderam-me episódios ridículos, como enfiar o pé esquerdo dentro das calças na perna direita e estatelar-me no chão no meio da escola... e o primeiro namorado, que me roubou 7kg quando terminámos? ooohhhh, é de rir :P

Anne Crystal disse...

Está muito giro, original e imagino que sincero!

Se escrevesse uma carta ao meu eu de 15 anos também dizia muito do que aí escreveste!

Bafejada pelas Musas disse...

Espetacular. Podes mandar essa carta à Rita de 15 anos? Essa não só usava esse tipo de coisas como também usava T´shirts do Eminem e achava-se altamente... (ainda guardo as cartinhas das tais amigas, hoje em dia, desse grupinho um tudo-nada ridículo, não sobra ninguém na minha vida como deve ser para contar a história lol)

bj

start disse...

Um dia também escrevi uma carta ao meu passado. E como se costuma dizer "quem me dera ter aquela idade e saber o que sei hoje".

Andie disse...

"Tens muitas certezas mas, na verdade, não sabes nada." - ADOREI!

"E tu e os teus amigos são até um pouco menos estúpidos do que os adolescentes vão ser uma década depois." - SO TRUE!

Olhando para a minha prima de 15 anos, isto bate tão certinho. É burra todos os dias, e os adolescentes de hoje em dia, são o histerismo puro. Eu não era nada assim. Juro que daqui por 10 anos lhe vou espetar com todas as porcarias que anda a fazer hoje em dia, até ela desejar nunca ter tido 15 anos :P

S* disse...

ahahah Fazemos figuras tãoooo patetas.

Beatriz disse...

Sei que ainda tenho 18 anos e muito para aprender, mas diria mais ou menos a mesma coisa ao meu eu adolescente. Ai, fases.

L. disse...

Apeteceu me escrever uma carta à catraia que já fui com 15 anos (Há 14 atrás... jeezzz). És uma fixe :)

Cantinho da Bê disse...

Amei. Mesmo tendo mais 9 anos do que tu (glupppp) percebi tanto as tuas palavras. Ah e eu andei com calças à boca de sino (MEDO!!).

girl in motion disse...

adorei tanto tanto tanto!

Cat disse...

Né, que giro! :)

joana vasconcelos, oooh pá, éramos todas parecidas?

dropsofmagic, mas por outro lado se já soubessemos certas coisas, perdiam o encanto :)

Ana, mesmo assim acredito (ou quero acreditar) que a passagem da adolescência para a idade adulta é quando uma pessoa muda mais. Ou, pelo menos, considera mais ridículas as coisas que fez ;)

Catarina de Carabá, eu também era super drama queen, ah ah! xD

Jedi Master Atomic, exacto! Faz parte do processo de aprendizagem :)

Liana Andra Marques, mesmo assim sobreviveste ao desgosto. Sobrevivemos todos, eheh!

...Ju..., mas o que nos teria dado na cabeça para usar calças daquelas?

Bernardo, e com menos preocupações :)

mary, oooh coitada! Eram calças traiçoeiras! Uma pessoa descobre logo desde cedo que, infelizmente, emagrece melhor se estiver triste do que contente! --'

Anne Crystal, estou a ver que é meio generalizado ;)

Bafejada pelas Musas, a mim ainda sobram algumas pessoas (poucas) e uma delas muito muito antiga. Mas essas duas que eram se calhar em quem depositava mais esperança na altura, já nem mantenho contacto. Iiiih por falares em t-shirts do Eminem... tenho um autocolante dele na porta do meu quarto (em casa dos meus pais) que não consegui remover eficazmente e portanto ainda lá continua... x)

start, mas sem dúvida que perderia um certo encanto típico da idade:)

Andie, será que as pessoas alguns anos mais velhas pensavam o mesmo de nós quando tínhamos essa idade?

S*, se fazemos!

Beatriz, já és, com certeza, diferente do que eras aos 15. Mas ainda tens um loongo caminho. Temos todos! :)

L., escreve! :D

Bê, ah essa moda também me deu. Mas depois desta. E em comparação não tenho dúvidas de qual me envergonho mais x)

girl in motion, :) :) *

R. del Piño disse...

Fiquei arrepiada e com uma lagrimita no canto do olho de te ler. E ainda por cima fiquei cheia de inveja de fazer um post assim. Importas-te que um dia roube a ideia? É realmente incrível o que nos afasta das adolescentes que fomos. Mas eu tenho muiiiiiiiiiiiiiiiiiitas saudades do meu "me" da altura. E o teu já tinha vinco de personalidade, não? Mesmo as coisas que são agora demodé, na altura estava na berra. ;-)

Navajovsky disse...

Olha já no meu caso os poucos melhores amigos que tenho são desde essa idade..aliás a maioria são do infantário! Na faculdade só ganhei uma amiga a sério. Sou ao contrário do resto do mundo.

E agora fora de tópico: cada vez gosto mais de ti! Não só porque escreves por aqui coisas engraçadas(e já te sigo há uma eternidade) mas porque tenho deparado com comentários teus noutros blogs, acerca de coisas mais sérias, em que expressas ideias semelhantes às minhas mas com uma paciência que não tenho (tanto é que geralmente nem faço comentário nenhum para não me chatear). Boas ideias (sou suspeita porque são iguais às minhas eheh), bom encadeamento de pensamento, bom temperamento: és uma fixe.

Bafejada pelas Musas disse...

ahaha Eminem rulez:P

♥C disse...

Adorei ler essa carta e foi impossível não pensar no que eu diria a mim própria com essa idade!

Rita Gamboa disse...

um amor :) baci*

DC disse...

David (10 anos mais novo), vestir roupa dread não é super-cool... Vês esses piercings e brincos? 10 anos depois já não os vais usar, e vais usar camisas e calças bem mais justas.

Até já.

Ouriça das Neves disse...

Infelizmente, a tua última frase resume também a minha adolescência: Tive uma pressa danada para crescer... Lembro-me de me dizerem: "Aproveita estes anos que são os melhores da tua vida" e eu só pensava: "Quando começar a trabalhar é que vai ser bom!" Soubesse eu na altura o que sei agora... Mas achei a tua carta muito enternecedora...:)

margas disse...

Este é provavelmente dos posts mais deliciosos que li ultimamente!!

Cat disse...

R. del Piño, podes roubar, claro ;) Eu também tenho muitas saudades do meu "eu" dessa altura. Apesar de tudo o que não sabia.. acho que, mais do que nunca, se aplica a máxima de que a ignorância é uma benção :)

Navajovsky, não sou bem o contrário disso. A minha melhor amiga é de infância (conhecemo-nos desde os 3 anos, ah ah!). E dou-me ainda com imensas pessoas dessa altura. Mas esse grupo específico da adolescência... esquece! :P Oooh obrigado pelo off-topic. Julgo que sei do que falas mas posso estar só a supôr, eheh. Eu também não devia ter paciência porque sei que, na maioria das vezes, cai em saco vazio. Mas pronto! :)

Bafejada pelas Musas, yô dread! xD

♥C, que bom ter-vos trazido também lembranças :)

Rita Gamboa, :)

DC, eu por acaso tenho bem mais piercings agora do que tinha há dez anos, eh eh ;)

Ouriça das Neves, quando nos dizem isso sobre qualquer fase da vida nunca acreditamos, não é? E assim se passa de fase em fase a valorizar o que foi a fase anterior! :)

margas, ooooh que fofa, obrigado! ^^

DC disse...

Eu até gostava de usar os brincos, mas no trabalho não posso... e acabei por me fartar de passar o tempo a tirar-meter brincos..

R. del Piño disse...

É isso mesmo, Cat. Mesmo assim gosto da ideia de "me" escrever e vou fazê-lo. Obrigada por partilhares a tua ideia. :-*