25 de maio de 2009

Traje académico.



Não gosto. Não gosto mesmo nada. A maioria das pessoas que conheço, tem, usa e gosta. Acho lindamente. Eu é que não me identifico. Eu até gostava de me sentir assim embutida no espírito académico. E cantar canções da faculdade com todo o entusiasmo e dizer mal da faculdade rival, com grande convicção. E gritar com os caloiros. E a andar na rua, a gritar em plenos pulmões, Éfe Éme Éle! Mas nunca senti, não me contagia. O ambiente na minha faculdade não é excelente. Por isso, quando vejo a rebanhada, toda trajada, penso que assim vestida só me conseguiria sentir... hipócrita. Porque o dia-a-dia realmente não é aquilo. A minha primeira opção, no acesso ao ensino superior foi Coimbra. Até estava convencidíssima que entrava. Até apanhei um desgosto quando soube que, afinal, tinha entrado em Lisboa. Há cidades que parecem ser feitas para as pessoas trajarem e terem orgulho. Sempre que vou a Coimbra...sinto isso. Sente-se um verdadeiro ambiente de companheirismo. Parece que imensa gente se conhece. Não só da própria faculdade como inter-faculdades. Não se combinam saídas porque, à noite, páram sempre todos pelos sítios do costume. Se tivesse entrado lá, se calhar tinha uma opinião diferente acerca do traje. Mas aqui, não sinto nada disso. E não foi por ter vindo de pé atrás. Vim disponível. Até contava gostar do traje e trajar.

Tenho amigos na faculdade. Mas contam-se pelos dedos das mãos. Eu, que sempre me considerei uma pessoa super sociável e com imensa facilidade em fazer amigos, cheguei, há algum tempo, à triste conclusão de já ter encontrado todas as pessoas com quem gostaria de me dar, na minha faculdade. Não é presunção, haverá muitas mais, que poderão ser interessantes. Mas falo das interessantes com que me identifico e que têm a ver comigo. E com a maioria dessa
s pessoas, estou todos dias. Com essas existe também uma relação extra-faculdade. Era incapaz de ir com trezentas pessoas trajadas, a pé até ao Rossio, com um grupo de caloiros. Não são figuras que me agradem fazer. Quando vejo passar um grupo assim até consigo achar uma certa graça, se estiver num dia bom. Mas é por ser espectadora. Sempre me senti assim, muito mais espectadora do que eventual participante.

E também, se o traje fosse algum Dior...mas não gosto das
collants pretas, não gosto dos sapatinho insonsos com salto pequenino, não gosto da capa pesadona, não gosto de me imaginar a transpirar que nem uma porca em dias de calor ou a palmilhar o Bairro Alto assim vestida. Finalmente, o único argumento que me poderia convencer ser
ia o de que o traje surgiu para, socioeconomicamente, uniformizar os alunos. Mas...com o preço dos trajes, contem-me outra! E gosto de Queimas e semanas académicas e arraiais e festas e de ouvir Da Weasel, com uma cerveja na mão. Mas com os meus trapinhos (giros!), por favor. E a ser de saltos, com uns saltos como deve ser, não com aquela coisa sensaborona.


41 comentários:

Rita disse...

Olha, eu comprei o traje mas nem sei se estou arrependida. É raro usar porque acho bastante desconfortável. Também não acho muito piada aos rebanhos.
Já que está gasto, fica para as ocasiões académicas mais especiais, tipo benção das fitas.

JorgeMiguel disse...

Sabes Catarina,
independentemente do traje, várias pessoas referem essa questão da falta de ambiente académico em Lisboa que, segundo dizem, é diferente de outras cidades (a capital tem muito mais oferta em quantidade e diversidade).

É preciso compreender algo. Exceptuando casos de campus universitários densamente concentrados em determinadas áreas de imensas metrópoles e que tenham vida própria, diurna e nocturna, é difícil conseguir-se nas grandes cidades envolventes académicas – visível p.ex. pelo uso do traje – como as de Coimbra (ou Évora ou Vila Real, etc.). Nas extensas urbes, seja dentro ou fora de Portugal, as pessoas dispersam-se geográfica, cultural e socialmente.

Londres, que tem boas entidades de ensino superior, não é conhecida pela sua ambiência académica ao invés da pequena Cambridge e a sua renomada universidade. Nova York também tem boas instituições universitárias mas também aí não se fala do tal ambiente - mas isso já se descobre na Cambridge americana, junto a Boston (ex. Universidade de Harvard; que recentemente assinou acordos de parceria com faculdades de medicina portuguesas – pensa já em vir a aproveitar).

Se bem que esta explanação nem sempre é linear. Se o ambiente for muito competitivo, poder-se-á gerar bons alunos mas maus companheiros. Talvez seja isso que se passa na Faculdade de Medicina. Já os nossos colegas do IST diziam o mesmo da sua escola de engenharia.

Que solução então para usares traje? => adere a uma tuna universitária!
Sabes tocar ferrinhos? :-D

Hermione disse...

Capa & Batina, o traje de Coimbra que envergo com o maior orgulho. Sò vou a noites de queima e latada sem ele se não puder mais dos meus pezinhos.

Vestir 'aquilo' é uma sensação indescritível. Os sapatos deixam de ser feios, a capa deixa de ser pesada e incomodativa, o calor deixa de ter importância.

Ai.. é qq coisa de mágico...

Cat disse...

Rita: pois, já que o compraste... :P

JorgeMiguel: devo saber...ou os ferrinhos têm alguma ciência oculta? Se calhar têm e estou a subestimá-los! :P Vai parecer que estou do contra (não é!) mas tbm não gosto muito de tunas :P Não tenciono de qualquer forma comprar o traje ou vir a usá-lo até ao final do curso. Tens razão, geralmente o espírito académico varia inversamente às dimensões do local. Beijinho * :)

Hermione: lá está, Coimbra... :P

Lady me disse...

Na minha faculdade há um forte espírito académico, embora não sejamos muitos. Mas não concordo como os grandes fazem parecer a praxe. Dão-lhe demasiada importância e muitos só merecem ser chamados de nomes muito feios!Fiquei até com sentimentos bem maus em relação a alguns da dita "elite" porque sofri bem em caloira e muito por causa de ter um namorado negro. Para darem o exemplo como dizem que dão, acho que ser racista não é caminho. Mas enfim! Detesto gente que usa a praxe para se mostrar superior, acho que muitos deles só praxam para se sentirem superiores am alguma coisa na vida, já que no resto são frustrados de 10 e mais matriculas com 0 cadeiras feitas. No entanto, e ainda bem, há boa gente que faz a praxe valer a pena e faz brincadeiras giras que fazem com que sejam tempos que depois trazem saudade. :) Quanto ao traje, tenho e ainda só usei umas 6 ou 7 vezes, se tanto. Gosto de vê-lo de capa traçada, acho que fica bem e sinto-me bem. Só praxei uma vez que foi na semana da queima mas só fiz uma brincadeira pra animar os caloirinhos, porque de sofrimento já chega. E gosto de traje só quando não está calor! Porque se estiver é a pior coisa que se pode ter vestido, e pra queima muito menos! Quem vai pra queima de traje é corajoso/doido, digo eu...
Quanto à vida académica, vamos sempre aos mesmos sítios e o que gosto mais são os jantares na casa de alguém, tenho conhecidos, mas amigos não devem passar de 10 ou 15. É diferente, as pessoas têm prioridades muito diferentes...

Beijinhos e desculpa o testamento. É um assunto de que falo muitas vezes e podia criticar até amanha de manha que não acabava!

Lady me disse...

P.S: no ano passado fui pra queima de traje e acabei a noite sentada no chão... :) pés completamente mortos!

Lady me disse...

Concordo com a Hermonie ;O O traje vestido deixa de ser feio! É mesmo mesmo verdade! E se há dias em que me faça sentir orgulho, é nos dias de serenatas que arrepiam a espinha ;)

Nii disse...

OI Cat*
Estava a ver o teu texto... Eu sempre trajei. Fui caloira, passei a usar o traje, etc.. o normal. Este ano deixei me dessa vida.. Primeiro prk tou no último ano, acabar o curso, e n tenho tempo pra isso, prk normalmente muitas das pessoas que levam essa vida (nem todas, atenção! Mas muitas tm cadeiras em atraso ou já tão na fac algum tempo... mais do que seria de esperar) e depois porque não bebo, e não vamos mentir, porque de facto basta olhar para esta semana académica... e é ver o pessoal no chão a vomitar de tanto beber. Não bebo, e pior q n beber é aturar sóbria quem bebe... Enfim... Teria muito mais por dizer. Quanto ao traje, sinto orgulho em vesti-lo, é bem verdade, mas apenas porque para mim representar o meu percurso académico, a minha identidade enquanto estudante e todo o sacrífico até ao dia de hoje. Amigos... fiquei com uma,e tudo o resto sao amigos fora da faculdade. Secalhar não deveria ser assim, mas foi assim comigo.

Um beijo Cat

♥ Guida disse...

Alguém disse as verdades sobre os trajes! Parecem-me desconfortáveis e pelo preço acho que preferia ir fazer umas boas comprinhas do meu agrado!

Oh, e estou a pensar seriamente em declarar-me anti-praxe. Irei lá ver como param as modas, mas não me parece que vá gostar de veteranos manientos e convictos de que caloiro é cão. Será que estou errada?

Beijinho

Jojozinha disse...

A N. (q mora cmg) diz q devias ter ido pa campo de santana como ela :)
(mas eu nao me quero meter)
ahaha

Johnny disse...

Ide ao meu blog (Rock'n'Roll). Ide e participai :D (Post Choices)

*B* disse...

Eu gostei de usar, mas confesso que no fim enjoei!

Concordo com o que dizes de Coimbra!

Beijinho, Catzinha Narizinho*

Bea disse...

Eu ainda no outro dia estive a falar disso dado que fui assistir a uma Serenata. Acho que vou gostar de trajar e ainda mais da vida académica mas, não sei porquê, nunca achei que Lisboa fosse o lugar onde quereria ir estudar, até posso vir a mudar de opinião, mas penso que não tem espírito académico nenhum. Mas concordo contigo, os sapatinhos são mesmo feiinhos! beijinho

Lolita disse...

Um dos motivos que me fez ficar a estudar em Coimbra, foi isso mesmo, o espírito académico. Porque é com orgulho que visto o meu traje. E o mais bonito de se ver, é no dia da Serenata ver a cidade vestida de preto. beijinho*

o dono do blog disse...

Bom, eu acho que sem o ambiente académico que Lisboa não tem, o traje, muito mais do que uma pretensão elitista despropositada, no corpo de algumas "individualidades" acaba por ser uma manifestação de exibicionismo pacóvio, a fazer lembrar o provérbio do burro carregado de livros.
Penso eu de que!

Beijinho

o dono do blog disse...

Depois do primeiro comentário, fui dar uma "voltinha" pelos outros e, mais uma vez, tenho de concordar que "A Guida é que sabe"!

Swadharma disse...

Eu também não gosto.
Mas o que não acho piada é quando 1 ou 2 pimpoes se lembram de andar trajados sem festividade nenhuma!
É como se quisessem gritar "EU SOU ESTUDANDE UNIVERSITARIO"!
Epá... eu nunca vi um médico ir de bata e estetoscopio para o Forum!
E eu até pratico Karaté e nao ando de Gi (vulgo kimono) na cidade, oculinho de sol, sapatilha de combate...

E depois aqui em Viseu, a associação académicoa organizou uma "Semana Cultural" com Quim Barreiros no cartaz! Ora... chamar ao Rei dos Trocadalhos cultura... é quase querer nomear o Fernando Rocha para Ministro da Cultura!

De maneira que...
"Éfe Éme Éle! Mas nunca senti, não me contagia. O ambiente na minha faculdade não é excelente. Por isso, quando vejo a rebanhada, toda trajada, penso que assim vestida só me conseguiria sentir... hipócrita."

Cat... tens o meu apoio, pensas pela tua própria cabeça, e isso é sinónimo de inteligencia, personalidade forte =D
Miauuuuuuuuuuuuuuu

Bj*

JorgeMiguel disse...

Acréscimo ao meu comment anterior:
Cat, mesmo que quisesses, nem precisarias de comprar traje na íntegra (saia preta, camisa branca, etc, até se arranja bem). Mas sugiro-te, para ficares com uma simbólica recordação universitária, que adquiras a capa académica para alguns eventos (seja uma ida à Queima das Fitas em Coimbra seja para a Benção dos Finalistas em Lisboa). Mesmo que depois fique arrumada a um canto, é um interessante registo histórico da vida de estudante universitária (e transmissível aos manos). Recomendo!
***

P.S.: Para uns o traje académico será uma expressão corporativista e classicista (no sentido segregador). Mas julgo que são minoritários. Para outros – penso que a maioria – é um modo de identidade grupal inerente ao ser humano. Uns serão mais turistas, outros mais tribais e outros ainda, provavelmente em maior número universitário, serão maria-vai-com-os-outros!
(sem desprimor para as Marias!:)

Anita disse...

Fui caloira, deixei-me pintar, gritei como uma doida e tomei banho em rotundas. Quando passei a veterana passei também a trajar e era um orgulho e acho que foi esse orgulho que também me fez achar o traje bonito. Também gritei e insultei outros cursos e outras faculdades mas também foi só o primeiro ano de veterana porque acima de tudo era o orgulho de andar trajada. Lisboa não é nem nunca será Coimbra... Coimbra é única! As pessoas, a cidade, a faculdade... Se soubesse o que sei hoje tinha tirado lá o curso só para viver naquele meio. Pessoas boas e más há em todo o lado ;) Beijinhos

Ágape disse...

Ola!!

Olha eu cá adorei usar o meu traje. :) Mas adorei pq adoro o meu traje. Não é como os outros, o casaco é diferente e as meias n podiam ser pretas!!! :)

Os sapatos é q eram chatinhos sim, la nisso concordo...

E em relaçao ao ambiente... tb concordo ctg em parte,,, mas como eu usava mais o traje em contexto de Tuna... o sentimento é diferente... provavelmente semelhante ao de Coimbra... :)

Beijinhos!! :)

mary disse...

concordando com o primeiro comentario, tambem eu comprei o meu traje e ainda nao sei se me arrependo ou não. Fui as praxes, fiz figura de tontinha, tomei banhos de agua de fontes e de cerveja, e talvez analisando bem as coisas não era assim que deveria ser. Tenho orgulho na minha faculdade, já andei nas ruas a gritar azul e amarelo, ja falei mal de outras faculdades, mas isso talvez porque somos uma faculdade bastante pequena e o ambiente é propicio. Fora isso, para mim o traje é apenas um orgulho do percurso académico, e embora muito desconfortavel, e que o use meia duzia de vezes e tenha sido caro, gosto de saber que vai ficar como recordação para sempre ali no armário.

Coimbra, Coimbra... também eu me sinto até hoje um pouco triste por nunca ter tentado sequer...

São ambientes diferentes. E de Lisboa, já ando eu muuuito cansadinha :x

Um beijnho *

pedro disse...

eh pa eu sou de perto de coimbra e ja andei a estudar em coimbra,aquela aldeia (sim aquilo e uma aldeia se nao fosse os estudantes ainda continuava a ser) respira uniao entre faculdades e e onde o espirito e maior usam o traje como amor à camisola e eu gosto disso,eh pa e inexplicavel,mas tambem satura andei lá 5 anos chega =)

Rosie Dunne disse...

eu ainda nao tive oportunidade de usar. não sei se o faça tambem. na altura logo se vê :)
beijinhos

Sanxeri disse...

Nao ligo nenhuma. Nunca liguei porra nenhuma às festinhas academicas. Nao me identifico.

Jedi Master Atomic disse...

Aí vem o desfragmentador de novo :P

"A minha primeira opção, no acesso ao ensino superior foi Coimbra. Até estava convencidíssima que entrava. Até apanhei um desgosto quando soube que, afinal, tinha entrado em Lisboa."

Coimbra's loss is our gain :P


"Sempre que vou a Coimbra...sinto isso. Sente-se um verdadeiro ambiente de companheirismo. Parece que imensa gente se conhece."

Tenho lá amigos e tenho exactamente esse sentimento que tu tens. O espirito de lá é diferente.

"Não é presunção, haverá muitas mais, que poderão ser interessantes."

Na jantarada de bloggers irás conhecer mais umas quantas :P


"Era incapaz de ir com trezentas pessoas trajadas, a pé até ao Rossio, com um grupo de caloiros. Não são figuras que me agradem fazer."

Likewise.

Lila* disse...

Eu detestava me ver sem capa traçada!Ficava uma mini-baleia de preto!!!Mas usei-o muito:)Fui sp trajada ao cortejo, mas lá esta, nunca tirava a capa:)

ADEK disse...

Subscrevo o que dizes, querida Cat. E o "ambiente académico" é o que nós fizermos dele... Não sinto necessidade de me dar com os 300 colegas do nosso ano, só porque são do nosso ano. Ou com os outros porque são do curso. Damo-nos com quem gostamos, sentimo-nos bem assim, e não é preciso estarmos todos vestidos de igual, ou irmos a um evento numa altura específica do ano chamada "Queima" ou "Recepção ao Caloiro" ou, no nosso caso, "Olimpíadas" para nos sentirmos integrados:) Quando me mudei para Lisboa disseram-me "Mas estás parva? Lá não há ambiente académico nenhum!"...Bom, adoro a minha vida social e cultural cá... Se não se pode chamar "académico", então pronto. Mas que há "ambiente", lá isso há XD

Swadharma: Forum? De viseu? XD (yay!:P)

Cat disse...

Lady me: há sempre praxes e praxes... não quero com este post manifestar-me anti-praxe e anti-tudo. Porque fui praxada e até gostei. Só não entrei muito no espirito depois disso...

Nii: ficou-te mais como uma coisa simbólica, não foi?

Guida: e o dinheiro do traje dá bem p/umas boas comprinhas :)

Jojozinha: vê lá que até na minha faculdade já me disseram isso, qnd eu digo que estou farta daquilo :P mas será assim tão diferente?

*B*: eu enjoei e nunca cheguei a usar, querida ;)

Bea: até pode ser que acabes por achar que tem espirito académico, depende das faculdades, claro..

Lolita: :)

o dono do blog: concordo!

Swadharma: exacto! É o que acontece em Lisboa às 5ªs (deve estar ligado a alguma tradição q eu desconheço) mas 5ªf é ver a cidade universitária cheia de pessoal trajado..e nas aulas tbm... não percebo! Era giro andares de Gi na cidade xD
Beijinho, miiiuau :)

JorgeMiguel: não quero à mesma :)

Anita: tens razão mas é normal que num meio maior, proporcionalmente, existam mais...

Ágape: pois, tuna é diferente :)

mary: tbm eu ando cansada...p/não me cansar, precisava de mudar de ambiente p/aí de 2 em 2 anos... =/

pedro: mas ficam-te as boas recordações de teres andado lá =]

Rosie: sim, logo se vê, não vás com ideias negativas pré-formadas =]

Sanxeri: :)

Jedi: eu falava de pessoas interessantes NA FACULDADE. Claro que pessoas interessantes, no geral, falta-me conhecer...o mundo! :)

Lila*: morrias de calor, então! ;)

Cat disse...

ADEK: é isso mesmo. É o que nós fizermos dele, com as pessoas que nós quisermos que façam parte. Não devia existir uma suposta obrigação de nos relacionarmos com determinadas pessoas que nos dizem mt pouquinho só pq são do nosso curso. Beijinho :) **

Just Being Me disse...

Fogo...este teu texto está espectacular. Podia ser perfeitamente um texto escrito por mim nos meus tempos de estudante! Tirando a parte da cerveja que não gosto :)

Cat disse...

Just Being Me: eu tbm não gosto. Mas só custam as primeiras 2 ou 3, depois marcha tudo :P

Olhos Dourados disse...

Eu adorava o traje! O da minha universidade é igual ao de Coimbra. Gostava mesmo de o vestir, de mostrar a qual universidade pertencia, gostava mesmo muito da minha universidade. Mas relativamente a esses rebanhos também confesso que não achava grande piada...

Bea disse...

Exacto, também depende muito das faculdades...

Dexter disse...

Olha, eu adoro trajar. Ou melhor, adorava :(

Na minha ex-fac (Faculdade de Direito de Lisboa) havia o tal espírito, especialmente nas praxes e nas festas, e smp levámos isso mto a sério! E digo, com toda a franqueza possível, que os 5 anos de faculdade foram os melhroes da minha vida... Eu lembro-me tão bem de no 4º ano dizer "Só me falta este ano e o próximo...ainda chumbo de propósito p ficar cá mais tempo...". Os meus melhores amigos, que são aqueles amigos p a vida, arranjei-os lá. A minha namorada, arranjei-a lá. As minhas melhores recordações foram lá.

E o meu irmão, que anda no 1º ano, na mm fac, vai ter que ocmprar um traje novo...pq o meu traje...é o meu traje :)

Renata disse...

Para o ano chega a minha vez de entrar na Faculdade, Coimbra está MUITO dentro das opções, confesso estou com alguma curiosidade em trajar :D
(este post’s são de uma originalidade incrível)

Cat disse...

Olhos Dourados: pronto, é bonito sentires isso!

Dexter: a mim é tudo ao contrário disso...melhores amigos, namorado, tudo de fora da faculdade! Vcs vão ser uma família de advogados!! Tu, a tua namorada, o teu irmão... :P

Renata: obrigado pelo comentário! Acho que fazes MUITO bem em tentar Coimbra :)

Menina do Mar disse...

Oh quando li este teu post, a primeira coisa que pensei foi: é pena nem todas as faculdades conseguirem transmitir um espírito académico assim, verdadeiro, de companheirismo, em que as praxes servem para as pessoas se conhecerem e não para se humilharem...
Na minha escola é isto que acontece os veteranos, gritam, berram, fazemos jogos, mas no fim quando vamos a ver ficamos todos a conhecer-nos melhor e criam-se laços que não se perdem. Também fui praxada e praxei, gostei muito de "sofrer" com o traje porque toda a escola trajava, eramos uma escola pequena em que todos nos conhecíamos...
Agora tenho pena que com a junção das 4 escolas publicas o espírito se tenha perdido e como tu dizes, também já não me identifico com o traje. O "sofrimento" transformou-se mesmo em sofrimento, porque vestir o traje, agora significa vestir um espírito de uma coisa que não conheço, que já não é de companheirismo, mas de mera exibição...
*

Pêjotinha' disse...

Eu sou de Coimbra (quer dizer o meu distrito é aveiro mas Coimbra é a casa de todos xD) e realmente aqui é impensável não trajares. Eu também não gosto muito do traje -.- mas para o ano lá o estarei a usar como caloira. é que não passa por ninguém não trajar. é um orgulho exacerbado. isto é se entrar em coimbra caso contrário o traje acho que realmente não faz muito sentido.s ei lá é como as praches. aqui tudo é tão mais vivido. é quase doentio pah xD

AquiloQueEuSou disse...

Não sabes nem percebes o que é ESPIRITO ACADÉMICO!..por isso nao te identificas com o traje..o facto de estudares me LX tb não te deixa receber essa influencia uma vez que a nossa capital nao tem ou tem muito pouco espirito académico. Eu estudo no porto..e nao comparando com coimbra pk é impossivel essa é a eterna cidade dos estudantes, temos muito espirito academico e o traje é um sinal de orgulho e respeito pela faculdade, academia, curso e orgulho em ser estudante!

"capas negras de estudante, quero para sempre guardar no peito a alegria de um instante" ;)

quanto a ir berrar com os caloiros..isso tb nao tenho paxorra! lol

*

Dreamer disse...

Olá! :)

É a primeira vez que aqui passo e não resisti e tive que comentar. ;) hehe

Sou de Braga e estudo na Universidade do Minho. Penso que as pessoas não conhecem muito bem a realidade nortenha, mas aqui o espírito académico é muito intenso e o traje faz todo o sentido.
Deixa de ser feio (desconfortável nunca deixa de ser, porque a capa, o tricórnio e os sapatos arrasam qualquer um!) e o orgulho de o envergar toma conta de ti! ;)

Mas tudo depende do espírito de cada Universidade! Concordo contigo que ser universitário em Coimbra, a eterna cidade dos estudantes, deve ter aquela magia! :)

Catarina Almeida disse...

Vou tentar conter a emoção ao escrever este comentário... Sou de Coimbra, estudo em Coimbra e nunca pensei em estudar em qualquer outro lado. Para além de adorar a minha cidade [sim, claro que é uma aldeia e não abre grandes portas... mas é absolutamente maravilhosa], sempre senti o espírito académico latente a chamar por mim... Não há palavras para descrever o que é sentir o barulho do calcorrear dos sapatos das Doutoras pelas calçadas, o olhar pela janela e ver a Cabra no seu esplendor, olhar para o Mondego nos finais de tarde de Primavera... Não há nada mais emocionante para um Estudante de Coimbra do que ver esta cidade coberta de Morcegos em dia de Serenata, em que todas as Faculdades e corações se unem para cantar a esta Coimbra.
Sim, o traje é pesado. Sim, é desconfortável. Mas é um ORGULHO usá-lo... É um orgulho poder ter o emblema da minha faculdade, do meu curso. A capa é um pano preto de recordações. Tanta lágrima, tanto riso, tantas noites, tanto tudo que por lá passou... O grelo da pasta, as fitas, a cartola... É mais do que aquilo que se vê, marca mesmo cá dentro.
Hoje, em que começo a ver o fim desta minha caminhada cada vez mais perto, só quero voltar a ser caloira e sentir isto tudo mais uma vez.

'(...) segredos desta cidade, levo comigo para a vida'

Catarina