6 de maio de 2013

stalkers

Quando entro numa loja dessas banais que existem em todos os shoppings, não quero que ninguém me chateie. Quero andar à-vontade. Boa tarde e pronto, se precisar de ajuda, peço. Mas em algumas, não sei se por política de funcionamento, se por transtorno de personalidade de algumas pessoas que lá trabalham, monta-se uma verdadeira perseguição. E isso não é agradável. Relato duas experiências particularmente traumatizantes.

1 - Fui ajudar o namorado a comprar roupa para ele numa loja cujo nome não posso revelar mas que acaba em pringfield. Sem termos solicitado nem uma vez, fomos abordados de 30 em 30 segundos. Atravessavam-se no nosso caminho! Várias pessoas diferentes. Várias vezes cada um. Ajuda que recusámos sucessiva e educamente (bem, no fim do massacre, talvez já não tão educadamente). Roçou o ridículo. Boa tarde! Se precisarem de ajuda...  / Precisam de ajuda?  / Não precisa de um casaco? Os nossos casacos estão com desconto de x %. / Estão a olhar para estas camisas? Também temos noutra cor. / Quer ir experimentar? Os provadores são já ali. / Já viu estes pólos que recebemos hoje? / Se quiser algum número que não esteja aí, diga que eu vou buscar ao armazém./ Já reparou que aqueles ténis ficavam bem com essas calças? / Isso que tem na mão, tirou deste ou daquele expositor? (what?)

2 - A outra passou-se numa loja que mistura bijuteria com uma espécie de qualquer coisa (artigos de carnaval para adolescentes?), onde só entrei, eu e a minha trolley, porque estava a fazer tempo até à hora do comboio. Loja vazia. Três funcionárias focados em mim. Ready, set, go!

Stalker - Boa taaaarde! Podemos guardar a sua mala para ver mais à-vontade?
Eu - Não é preciso, eu vou só... (agarra-me na mala, entrega-a ao segurança à entrada, guarda a mala da menina!). 
Stalker - Já viu a nossa promoção? Se comprar três pares de brincos, só paga dois!
Eu (a fazer uma ronda enquanto traçava mentalmente um plano de fuga) - Ah está bem...
Stalker - Não quer um cestinho?
Eu - Não é preciso, eu estou só a ... (pumba, mete-me um cesto nas mãos!)
Stalker - Tem um lacinho! Deve gostar de lacinhos! Está aqui este expositor cheio deles!
Eu - Hum hum
Stalker -  Já vi que está a olhar para as nossas bandoletes! (era capaz de jurar que não tinha olhado, que só tinha pensado nelas!). Se quiser experimentar, tem ali  um espelho!
Eu - Não vou querer, obrigado, estou só a ver.

A sério que acham que os clientes vão comprar mais assim?
  

25 comentários:

dropsofmagic disse...

A tal loja, a "pringfield", é assim em qualquer canto deste país. Penso que seja política da mesma.

A Espiga de Trigo disse...

Nessa segunda loja também já sofri bastante com a perseguição das funcionárias. São mesmo chatas e uma pessoa não pode ver nada à vontade, que há sempre mil e uma coisas para contar sobre as especialidades da loja.

Gabriela Ferreira disse...

Não gosto de entrar em lojas de acessórios precisamente por serem pequenas e, estando vazias, sinto-me mal se não comprar nada por que as funcionárias fazem uma cara quando dizemos que só estamos a ver. Em lojas grandes sinto-me mais à vontade para entrar e não comprar nada porque não há uma funcionária de cinco em cinco minutos a perguntar se preciso de ajuda. E quando preciso mesmo da ajuda delas para encontrar o meu tamanho, vêm sempre más notícias.

Martine disse...

Nem a propósito, há pouquíssimo tempo escrevi sobre uma experiência desse género. É terrível. É que por um lado percebe-se que estão a tentar vender, por outro, quem vai comprar perde um bocado a vontade de o fazer. Não sei, mas bombardearem-me quando estou a escolher algo é o mesmo que me obrigarem a desistir da escolha, porque nunca gostei de pessoas que me dissessem: escolhe rápido que filme queres ir ver. Vá. Acabo sempre a dizer que não quero ir ao cinema e pronto e venho-me embora. O mesmo, percebi eu, começa a acontecer-me nas lojas. Se os funcionários insistem muito para ver isto ou aquilo ou levar isto ou aquilo, é 90% do caminho andado para eu não levar nada.

Bem Me Quero disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
blog-bem-me-quero disse...

Eh pá... isso é mto mau! às vezes até evito de ir a algumas lojas, tal é o desconforto de andarem sempre atrás de nós. Parece que nem conseguimos ver nada!

Jedi Master Atomic disse...

Cat, Cat, tsc tsc tsc, não percebes nada de compras.

Da próxima vez que te abordarem dessa forma numa loja de roupa, começas a responder "Eu venho à procura de bananas da Madeira" :P

disse...

opah isso e medonho! acontece n de vezes e só me apetece gritar EU JÁ DISSE QUE NÃO QUERO AJUDA, PORRA!
Em x disso digo que não com aquele sorriso de quem já está prestes a explodir!

C* disse...

Já trabalhei numa loja com políticas dessas. Sim, porque 99% dos casos esse tipo de política vem da loja, não do funcionário. E regra geral, os funcionários são pressionados a pressionar, sendo desconfortável tanto para o cliente como para eles. E a minha pergunta é: será que gerência não entende que essa atitude é um verdadeiro "espanta clientes"? -.-'

jane disse...

também encontro sempre muitos stalkers!

Miss Pipeta disse...

Sim, na *pringfield costumam vir ter connosco, mas nunca me melgaram tanto assim. GOD! isso faz-me logo pirar para fora da loja

Margarida M disse...

Também odeio quando ame fazem isso. A tal loja que acaba em "pringfield" até evito entrar lá porque não suporto que andem colados a mim e sempre com "já viu isto... e já viu aquilo", se uma pessoa pega numa peça "ah, essa cor fica-lhe muito bem... mas também temos na cor x e na y e se quiser vou buscar-lhe na cor z!", "estamos com promoções dos casacos", menos de 5 segundos depois lá voltam a cercar-me "ah e já viu a promoção das camisolas?". A sério não há paciência! E a loja dos "cestinhos" é outra "desgraça"!
A sério, isto é a tortura! Mas será que eles não percebem que só perdem com isso?

Vanessa ൪ disse...

Acontece-me sempre o mesmo quando também vou ao centro comercial e odeio -.-

Cat disse...

dropsofmagic, eu até já tinha entrado nesta -pringfield deste mesmo shopping e não tinha acontecido nada de especial. Mas sei lá, estavam todos loucos neste dia!

A Espiga de Trigo, são abusivas mesmo. Nunca entrei em nenhuma Claire's (ups!) que não fosse assim!

Gabriela Ferreira, eu não me sinto nada mal. Tenho todo o direito de entrar numa loja e não comprar nada. Sinto-me mal é de eleas serem chatas como tudo, safa!

Martine, geralmente também escolho mal sobre pressão xD

blog-bem-me-quero, esta segunda loja só vou mesmo quando não encontrei o que queria em todas as outras. Não propriamente porque não gosto da loja mas mesmo pelo marketing agresssivo!

Jedi Master Atomic, ah ah ah, se eu tivesse coragem...! :D

Né, como eu, só me apetece praguejar, nem sei como consigo manter a postura!

C*, se é assim, tenho pena deles. Deve ser muito muito chato. Mas para os clientes também é insuportável.

jane, eles andem aí!

Miss Pipeta, eu já fui lá várias vezes e nunca foi tão mau como desta. Quando digo "trauamtizante", não é uma hipérbole.

Margarida M, fartei-me de rir com a tua descrição! É que é mesmo assim!

Vanessa ൪, felizmente é numa percentagem pequena de lojas!

Dii* disse...

Eu odeio isso! Mas por qualquer razão não plausível com certeza, os donos das lojas ou quem quer que seja que parece incutir essas politicas estúpidas parece achar que o ser humano normal gosta de ser chateado! Se calhar eu é que não sou normal. Vai-se lá saber!

Hermione disse...

também me irrita tanto! ainda no fim de semana passei com o R. na Merrel e estávamos a olhar para as sapatilhas do lado de fora da loja e já estava a vir um rapaz ter connosco. Geez!

Brownies disse...

como eu te entendo... há lojas em que até perco a vontade de comprar o que quer que seja

Bluebluesky disse...

Não sei mas é horrível este tipo de "sufoco"

Bafejada pelas Musas disse...

LOOOOL Muito bom!

Ora bem, micas, eu já trabalhei numa loja que, no campo a que te referes,é o inferno (uma terminada em fois lol). Sim, somos literalmente obrigadas a massacrar os clientes ou, como eles gostam de lhe chamar, fazer "venda personalizada".
Sei que toda a gente se passa com isso mas tenta ser o menos agressiva possível... É que a moça pode ter a gerente a olhar para ela, nesse momento, a ver o que ela faz(depois de a mandar expressamente conseguir vender-te umas botas). Bjo

S* disse...

Que massacre, que falta de respeito.

Jo disse...

Ahahah, fartei-me de rir. Mas sim, DETESTO que me façam isso. Mesmo!! Curioso que na 'pringfield', não sei se por sorte minha ou por ir lá tão poucas vezes, nunca me aconteceu nada do género... aliás, agora que penso, acho que nunca me perguntaram nadinha de nada. Melhor assim! ;)

R. del Piño disse...

Concordo contigo, apesar de respeitar o trabalho deles, e o modo como os big bosses os mandam executar as funções. Curioso é nas lojas pequeninas termos 500 pessoas para nos servir. Depois chegamos a uma Worten, uma Ikea, a uma Fnac, e vê-mo-nos e deseja-mo-nos para encontrar alguém que nos queira atender.

Andie disse...

E depois há aquelas lojas em que até olhamos da porta e pensamos "Ah, deixa lá espreitar esta" e ainda não pusemos o pé lá dentro, quando olham para nós logo 10 funcionários, tal abutres para carne podre.
Passo atrás, desistes logo da ideia!

Isabel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
i. disse...

Epááááá, eu detesto tanto isso! Gosto que me digam "boa tarde". Fim de história -.- Se eu precisar, pergunto. Também é para isso que eles lá estão, mas sei ver e experimentar sozinha!!
Em algumas lojas, acho que devem ser avaliados por isso.. Daí fazerem-no :/ Uma vez, entrei na Calzedonia para comprar umas meias e ia morrendo. Nunca me tinha acontecido lá.. Eu só queria sair dali sem nada, mas era urgente -.- E, tirando os chatos habituais, uma vez numa sapataria bastante cara, a senhora vira-se para mim quando eu estava a ir embora e diz "então não vai levar nada? mas porquê?", só me apeteceu ser mal-educada :o