11 de novembro de 2009

Sem Título.


Perdemos tantas pessoas - não no sentido fatal da palavra! - ao longo dos anos que, para não me chatear demasiado, gosto de pensar que é uma inevitabilidade da vida. Como que um processo de selecção natural: se mantivéssemos todos os amigos que criámos ao longo da vida, não teríamos tempo para eles. O que é, em certa parte, verdade. É um processo natural.

Longe vão os sweet sixteen que, para mim, foram uma época maravilhosa nesse sentido. Nessa altura, tem-se os melhores amigos do Mundo, tive dezenas de amigos muito próximos. A amizade era o valor e expoente máximo. É uma ingenuidade boa até... mas não dura para sempre. Na altura, tinha a certeza de que todas essas pessoas, que me eram tanto, nunca iam desaparecer da minha vida, nunca me iam desiludir, eu nunca os ia desiludir, nunca nos íamos afastar ou trair. Nem pensava nas outras causas, sem grande explicação, que são assim porque pronto, tem de ser, porque as pessoas mudam, porque têm menos tempo, porque se afastam fisicamente, porque ficam muito tempo sem se ver, porque deixam de partilhar interesses, porque surge um desconforto e um silêncio constrangedor quando se reencontram.

Conhecem-se outras pessoas, sim. Há sempre novos amigos. Mas eu própria sou também uma pessoa diferente que já não me dou da mesma forma de quando tinha essa
idade nem sinto as coisas com a mesma intensidade (e ainda bem, a sério!). Mas adoro ainda ser surpreendida. Há sítios que já considerávamos pequenos demais para nós - que presunção, Cat! - que sempre conhecemos e que julgávamos já não ter nada de interessante para nos dar...quando de repente se descobrem pessoas que sempre soubemos que existiam mas que não conhecíamos (e vale tanto a pena!).

Conservo alguns e muito bons amigos da adolescência que são suficientes porque são bons, valha-nos isso! [Mantenho a minha melhor amiga desde os quatro anos, com a mesma cumplicidade de sempre, só para se roerem de inveja!]. Mas não consigo deixar de sentir aquela nostalgiazinha pelas pessoas todas que já lá vão, que nem sei onde páram ou o que fazem, algumas.




30 comentários:

Rita disse...

Acho que isso acontece mais ao menos a toda a gente. Menos a mim LOOL

Na minha adolescência dava-me com muita gente mas sabia quem eram aquelas pessoas que se podiam contar com uma mão e que eram as minhas verdadeiras amigas. Nunca gostei de me desiludir com nada.

Como vivi numa cidade pequena, toda a gente sabe de toda a gente (infelizmente!) e vou sabendo o que é feito dos colegas de escola.

Lady me disse...

Ainda saio com as amigas de quando tinha 16 anos, umas 4 vezes por ano, só. Mas valem por muitas porque tudo é como sempre foi. Pelo menos essas estão sempre lá como disseram que estariam! Mas há outras, que o prometeram e agora não sei onde param porque assim quiseram que fosse!
E na faculdade já fiz grandes amigos! Não estaremos sempre juntos, todos sabemos, mas fazem com que o presente um dia seja uma boa recordação :)

Beijinhos Cat!

Olhos Dourados disse...

Tenho saudades dos meus amigos do liceu. Chorei quando me vi sozinha na universidade sem eles!

Zaahirah disse...

Por isso é que acho tanta graça a redes como o facebook e o hi5 (um pouco menos que a 1ª)! Porque "reencontrei" amigos do colégio que não via desde os 12 anos. Vejo como cresceram, o que estão a fazer, quem casou (!), quem tem filhos (!!!!), quem saiu do armário (...) e por aí fora! :)

**

Nuno Tiago disse...

todos os momentos passados dessa época, são sempre bons de recordar e de os voltar a viver num encontro com as pessoas dessa altura :)

ps. desculpa a invasão

~ rita disse...

Eu sei que ainda sou muito verde, mas acho que os amigos mais importantes os conservo todos. Ou espero que ao longo da faculdade eles não me fujam xD

Cat disse...

Que sorte!
Eu detestei o liceu e não conservei amizades dessa época apesar de as ter, sempre com um número bastante restrito, acho que era um pouco desadequada, pouco popular ou talvez croma. Para mim os amigos ainda são os da escola primária e os da faculdade, aí sim, um período maravilhoso. O que passou pelo meio foi só o intervalo.
Beijinhos

zephirah disse...

eu tenho um grupinho de amigos fixo desde o final da primária...E sabe tão bem! São quem realmente me conheceu todas as manias, e continua a conhecer. Mas tenho em igual consideração pessoal que conheço agora e com quem me identifico. Até quando é que não sei!

[A tua amiguinha de infância também parece a Blair? É que se sim, a foto é ideal, Ms Serena:P]

Beijoca grande*

zephirah disse...

eu tenho um grupinho de amigos fixo desde o final da primária...E sabe tão bem! São quem realmente me conheceu todas as manias, e continua a conhecer. Mas tenho em igual consideração pessoal que conheço agora e com quem me identifico. Até quando é que não sei!

[A tua amiguinha de infância também parece a Blair? É que se sim, a foto é ideal, Ms Serena:P]

Beijoca grande*

Lua Escondida* disse...

Como eu te compreendo! Eu já perdi muitos amigos mas agora sei que tinha de ser assim. Eu sofria muito, credo! Era uma croma! Agora tenho as pessoas que quero e sei que vão estar comigo o resto da minha vida. Não tenho dúvidas! São os melhores - mas isto sou eu a dizer!!

Um beijinho*

Hermione disse...

sim, as pessoas mudam (nós inclusivé) e inevitavelmente alguns vão-se perdendo. muitos dos meus amigos da secundária perdi-os, não sei 'quem são' agora nem o que fazem. nostalgia, sim. mas sinto que os da universidade sao para sempre :D talvez pela maturidade que temos, pelas situações que enfrentamos... não sei explicar... mas concordo com o teu post...

*C*inderela disse...

Quando tinha 16 anos também tinha um grupo muito grande de amigos e que hoje já nem temos contacto. Preservei 3 amizades que se formaram antes dos 16 e preservaram depois desta idade.

D* disse...

A minha melhor amiga também é a mesma desde os 4 anos, mas infelizmente ela foi para Inglaterra, mas não foi isso que estragou a nossa amizade. Foi essa partida que provou mesmo se eramos realmente amigas.
Eu nunca tinha pensado nisso de "perder" velhos amigos, para ganhar novos, porque não iriamos ter tempo para todos... mas agora que penso nisso, tens toda a razão :) Como eu sempre disse "mais vale ter poucos e verdadeiros, do que muitos e de pouca confiança"

Beijinhos**

Cat disse...

Rita: ainda bem que não te aconteceu, então :D Se calhar, eu é que tinha expectativas demasiado elevadas para a maioria das pessoas...

Lady me: é uma boa teoria também. É optimo recordar que, um dia, já existiram e já foram especiais :)

Olhos Dourados: acredito, primeiro custa sempre!

Zaahirah: é assustador mas eu tenho pessoas que foram meus colegas (amigos, não), da minha idade também ja casados e com filhos. MEDO!

Nuno Tiago: bem vindo! Há encontros que fazem sentido e que é uma festa. Há outros que são constrangedores.

~rita: espero que sim, querida!

Cat: isso foi mesmo diferente daquilo que eu vivi! :P

zephirah aka ADEK: isso é tão fofo, ter o mesmo grupo desde sempre. Preserva-os bem! :) [Ela é tão parecida com a Blair como eu com a Serena: poucochinho! :P]

Lua Escondida*: é isso mesmo, tinha de ser assim, ha que lidar com isso. Mas primeiro custa!

Hermione: sim, nós também mudamos, não estou a descartar responsabilidades, sei perfeitamente que a culpa de me afastar de alguns foi minha também.

*C*inderla: pois, como eu mais ou menos...

D*: poucos mas bons, pleease! Isso é bonito,a distância a confirmar a amizade :)

♥ Guida disse...

Penso imenso neste assunto.

Ora, e eu que na semana passada reencontrei uma pessoa que já não via há três anos mas em quem pensei sempre, muito?


Beijinho

Mia Phoenix disse...

Ora, não que eu esteja longe dos 16, mas falo da experiência que tenho:

Amigas da primária? 4. Com quem falo? 0. Quem tenho no msn? 2. Com quem falo no msn? 1 com muito custo, de ano a ano. Apartir do 5º ano mudei de turma todos os anos, logo ai não conseguia manter amigas. Ou elas se borrifavam para mim ou eu borrifava para elas.

cheguei ao 8º e conheci "Os Amigos". Eramos 3. Era para sempre. Não foi. Hoje não falo com 1 mais do que duas vezes por ano, e o outro falo no msn quando tenho paciencia, o que é raro. mas nada do que era antes.

No 9º ano tinha outra amiga, alem desses 2. Que por motivos de força maior* deixei de falar durante uns meses. Fiz duas outras amigas. Nas férias para o 10º parei de falar com uma por motivos de força maior*. a outra mudou de turma no 10º ano. mas continuamos amigas.

Secundario? grupinho que não se dava com o resto da turma, óbvio. dentro do grupinho, havia grupinhos. Eu e mais uma, que no 12º deixei de falar por motivos de força maior*; três outras raparigas com quem ainda falo bem mas nada de mais, e outra que andava a saltar de grupo em grupo, em quem nunca mais pus a vista e cima nem se interessou.

*motivos de força maior = gajos. Sempre gajos. E sempre a fod****-me a mim.

Entretanto, fora das turmas, conheci pessoas fantásticas. E pela net. Neste momento tenho 4 amigos (2 conhecidas pela net!) que posso dizer seguramente que são para a vida. Mas nunca se sabe, não é verdade?

adorava ter essa amizade que tu falas, desde os 4 anos. Mas nunca aconteceu! Devo ter um chip anti-amizade-duradoura :P pelo menos tanto anos!

Qto aos amigos perdidos pelo caminho, não sinto falta nenhuma. As que perdi, foi porque elas quiseram perder-se pelo caminho. Se quiseram, olha, bye bye maria ivone! :P

Obrigada pelo coment, e pela força! E desculpa lá o testamento, estikei me :$ LOL *

Cat disse...

Guida: pois, já fizeste um post sobre isto e tudo. Eu também penso imenso. E foi um reencontro bom ou daqueles silenciosos e esquisitos?

Cat disse...

Mia Phoenix: sabes, às vezes acho que mais do que ter a ver connosco próprios, tem a ver com as pessoas com quem, feliz ou infelizmente, nos cruzamos, com as turmas em que calhamos (sim, porque a maioria das oportunidades de fazer amizades nessas alturas, são na escola). Como tu que, deves ter tido azar, mas fora desses circulos de pessoas conseguiste conhecer outras que consideras amigos para a vida. Nada a desculpar, adorei o testamento :) Beijinho *

Rosie Dunne disse...

também sempre tive muitos amigos, uns mais proximos que outros, mas sempre tive muitos. (mas também ainda sou bastante nova). da primaria, num grupo de mais ou menos 6 pessoas, apenas continuo amiga proxima de uma e "conhecida" de outras duas. a minha melhor amiga foi sempre trocando devido tambem a troca de turmas (a maior causa para destruir amizades que não sao assim tao boas) e neste momento tenho uma que espere que continue por muito tempo. basicamente, acho que de todos os amigos que tenho agora, tenho 4 ou 5 que podem ser para o resto da vida... e mesmo assim nao sei, que eu para manter as amizades é uma coisa muito complicada!... :/

Nuno Tiago disse...

so disse aquilo que acho que é :)

gostei do teu blog :)

joan of july disse...

Ia mesmo fazer um post sobre este mesmo tema! Pode dizer-se que puseste "o dedo na ferida". Também evito pensar nisso, mas de vez em quando é inevitável. Como quase toda a gente que comentou este post, também tinha um grupo enorme de amigos aos 16 anos. Agora, não tenho propriamente poucos, mas devidem-se numa espécie de hierarquia: os amigos íntimos, os bons amigos, os amigos recentes, colegas de faculdade e amigos antigos com os quais já não tenho tanto contacto.
E ah, claro, os EX-amigos. Alguns lamento ter perdido- quer pela falta de contacto, quer por coisas parvas, outros, por outro lado, acho que já devia ter perdido há mais tempo.

Bom post para fazer pensar na vida. :)
*

Galo disse...

E daqui por mais vinte anos nem imaginas...
Mas há coisas interessantes (agora que penso nisto). Passaram pela nossa vida pessoas a quem "perdemos o rasto" mas a cuja imagem mantemos, intacta, na memória. Enquanto outros são apenas nomes, apelidos, alcunhas, com imagens indistintas, ou nem isso.

Beijo

Madame Pirulitos disse...

E olha que a nostalgia tende a aumentar com a idade!!

*B* disse...

Amigos que permaneçam desde a infância, não tenho muitos. A vida fez-nos isso. É normal! Mas conservo amigos de muitos anos já (pois, afinal os 30 não estão muito longe [lol]). Mas confesso que, nestas questões de amizade, evito pensar nisto [para não dizer que evito sentir (impossível, sei)]. É que já sofri muitas desilusões...

Felizmente ainda tenho daqueles bons, bons, que me fazem acreditar de novo. Só lamento que veja tudo de forma mais fria agora... :(


Grande beijinho, querida*

Dexter disse...

E nunca te aconteceu perderes o contacto com alguém, n ver essa pessoa durante anos, dps retomarem o contacto e tornarem-se de novo grandes amigos? (ou mais do que eram?)

Tb é giro :)

Kikas disse...

és e foste uma sortuda, Cat, acredita! eu nunca tive essa sorte. nunca tive uma melhor amiga fixa, porque quando era pequena mudava de escola e de sítio todos os anos, até ao sétimo ano. e foi aí que encontrei as minhas três melhores amigas.. gosto de todas na mesma quantidade mas de forma diferente, porque são tão diferentes em si! as quatro não fazemos um grupo, nem nada que se pareça, mas são as minhas melhores amigas. no entanto, neste momento, não estamos tão próximas como gostaria e uma tem-me desiludido imenso :s além disso, estou mais ou menos na altura dos "sweet sixteen", e não tenho essa ingenuidade nem essas crenças :( mas era tão bom que tivesse!

Cat disse...

Rosie Dunne: eu, da bagagem que já tenho, já acho sempre muito arriscado dizer que alguém vai ser nosso amigo para sempre. Mas gostava de voltar a acreditar nisso!

Nuno Tiago: obrigado!

joan of july: os meus também estão assim, categorizados... Vá, vamos pensar noutra coisa que pensar na vida durante mt tempo não faz bem!

Galo: se calhar também depende da importância que tiveram para nós...

Madame Pirulitos: acredito! Mas não me agrada a ideia! :/

*B*: acho que todos vamos ficando um bocadinho mais frios e insensíveis em relação a isso, com o tempo. É uma protecçãi também... **

Dexter: nunca me aconteceu. A ti, já? Mas gostava! :D

Kikas: eu sei, é melhor alguma vez ter tido essa sorte do que não ter tido nunca..acho eu.. As ilusões fazem bem, às vezes, querida :) *

formiga disse...

Desse tempo tenho ainda duas amigas. Só. Também achei que as outras eram amigas para a vida e enfim fomos desligando, os caminhos foram-se fazendo de modos diferentes. também não me dou com facilidade e do tempo da faculdade guardo tres ou quatro amigas mais chegadas.

Não me posso queixar. Tnho poucos mas bons amigos.

Beijinhos

mary disse...

serena e blair *.* mas essas sao um exemplo estranho de amigas :P bom, eu sinto nostalgia quando me apercebo que, ate hoje, nunca fiz nenhum amigo assim, de verdade. assim mesmo mesmo de verdade. so uns que vêm e vão. mas ninguem fica...

Cat disse...

formiga: mais importante serem bons do que muitos! :)

mary: um exemplo estranha mas a verdade é que, mesmo que tenham andado a puxar cabelos, acabam sempre amigas ;) Nunca é tarde para isso te acontecer. Ou, se calhar, tem mesmo de ser assim, não sei..