28 de outubro de 2009

Auch!

Grande Reportagem, do último domingo à noite. África. Sobre irmãos órfãos que subsistem sozinhos porque o pai e a mãe morreram de SIDA. A maioria, crianças, ainda nem adolescentes. Construíram a casa em que vivem, fizeram os próprios móveis, sobrevivem de pequenos biscates que fazem aos vizinhos, às vezes o mais velho lá consegue um trabalho mais fixo. Pagam a água potável que bebem e chegam a passar perto de um ano sem comer carne. Alguns ainda vão à escola mas a maioria já não. Não sabem de que é que os pais morreram. Dizem que não lhes disseram mas parecia malária! O sonho de uma das famílias de irmãos (rapazes) era ter uma bola de futebol.

À pergunta O que é que vos faz falta?, respondem Nada... Quer dizer, só se fosse... Não, não, nada, nada!

E eu sinto-me pequena, mínima, minúscula, insignificante. E envergonhada.




20 comentários:

suspiro de baunilha disse...

Não vi, mas por essa descrição que fizeste tb já me sinto demasiado futil! Nunca me faltou nada mas continuo a querer sempre mais! ;) beijocas

Alessandro disse...

É a realidade em que vivemos, mas só porque acontece fora do nosso circulo de conforto... Nos preferimos não pensar nisso - não é "compátivel" com os nossos sonhos e ambições...
Há pessoas que sem ter nada, levam uma vida feliz e nós que temos mais do que o suficiente queremos sempre mais.
bjs Ale

Joana disse...

Também vi.. E no final fiquei com um nó na garganta :x Faz-nos sentir mal por nos preocuparmos com coisas tão futeis e que na realidade não são nada comparando com outras.

Rosie Dunne disse...

não vi esse documentário em particular, mas já vi outras coisas do género e todas me tocam...

Lia disse...

e assim me deixas a sentir-me extremamente egoista e futil...

Rose Dawson disse...

arrepia, mas é a realidade, infelizmente.
(também vi e a minha mãe até me perguntou se eu já tivera imaginado se fosse comigo)

L'Enfant Terrible disse...

Faz-nos repensar as nossas prioridades e sobretudo o quanto, por vezes, nos queixamos de barriga cheia!

Dexter disse...

Uma vez vi uma reportagem sobre um francês que passou 1 ano em África a ajudar miúdos e adultos nessa situação... Qdo voltou, uma frase que me marcou foi qq coisa como "Depois disto, mto sinceramente n me importa mesmo nada que tenho 0€ na conta, ou que coma legumes todos os dias, ou que n tenha a camisola que tanto queria. Estou vivo, de saúde, tenho um tecto. Isso chega-me".

Dá que pensar.

D* disse...

É difícil imaginar que num lado do mundo uns morrem por comer de mais e outros morrem por não comer. Ou uns têm a mania das doenças e passam a vida no médico enquanto que outros nunca viram, se calhar, um médico...

♥ Guida disse...

É a triste verdade :( Quanto mais temos, mais queremos.

Sabes que tenho esperança que esses países se tornem em sítios bem melhores num espaço de tempo relativamente curto?


Beijinho

S* disse...

Às vezes devíamos ter vergonha de nos queixar de insignificancias.

mjf disse...

Olá!
Não vi a reportagem, mas pela tua descrição, devemos relamente repensar as nossas prioridades:=(((

Beijicas

Malinha viajante disse...

Também vi a reportagem, a verdade é que nos queixamos a maior parte das vezes de barriga cheia...
bjs

Faz de Conta disse...

:( é triste só abrirmos os olhos e percebemos o que realmente é importante quando nos deparamos com este tipo de realidades. Sempre fui muito sensível a este tipo de situações e é por isso que desde cedo comecei a fazer voluntariado para ajudar de alguma forma as pessoas que podem menos que eu... dá mesmo que pensar...

Lady me disse...

Eu no Natal nunca sinto falta de nada em particular. Pergunta o que preciso e não me aparece nada na cabeça. o entanto considero-me fútil. Mas desde pequena que me diziam "Não deites comida fora, estás ver aqueles meninos? Não têm nada." Sempre me tocaram esses documentários. É horrível... Acho qe se podia mudar o mundo mas os que podem não querem.

Já quis ser missionária em África, mas... Coragem?! :(

Olhos Dourados disse...

Bolas, até me vêm as lágrimas aos olhos!

Cat disse...

suspiro de baunilha: pois, acho que somos todos assim.

Alessandro: e como nos é desconfortável, preferimos não pensar nisso e continuar a vida normalmente, a querer sempre mais.

Joana: pois é... :(

Rosie Dunne: a mim também me tocam muito!

Lia: foi como eu me fiquei a sentir também...

Rosie Dunne: é impossível de imaginar se fosse connosco...eu pelos menos, não consigo!

L'Enfant Terrible: sim...

Dexter: acredito que uma pessoa que passe por essa experiência de estar lá, volte completamente diferente, uma pessoa nova e, com certeza, muito melhor.

D*: pois é, é abismal a diferença países desenvolvidos/ países em vias de desenvolvimento. Os flagelos são em torno das mesmas coisas, basicamente...mas nuns sitios por excesso, noutros por carência!

Guida: num curto espaço de tempo, não sei, espero que sim. E mesmo assim, já é tarde!

S*: mas não pensamos nisso com muita frequência...

mjf: pois devemos...

Malinha viajante: quase sempre, sim...

Faz de Conta: :(

Lady me: deve ser precisa muita coragem mesmo!

Olhos Dourados: eu também fiquei assim... =/

Jedi Master Atomic disse...

Todos temos pena dessas situações, mas não me vou sentir mal por algo que eu não tenho nada a ver.

Isto para dizer que não concordo que te sintas "envergonhada".

Cat disse...

Jedi: não temos a culpa mas também não fazemos nada para que não seja assim...

Kikas disse...

"uns com tanto e outros com tão pouco". a verdade é que, por mais força de vontade que haja para mudar, um só não faz a diferença..