4 de julho de 2009

Eu Quero Uma Praia Só Para Mim!

Quando era pequena, adorava praia. Agora cada vez gosto menos de lá ir. Aliás, pressinto que estou quase quase a deixar de gostar. Não é a praia em si: praia-praia, adoro. Adoro o Sol, sal e mar. Se tivesse uma praia privada, só minha, ó maravilha, ó perfeição, ó correr à beira-mar com os cabelos ao vento e ó cavalgar num cavalo branco areal acima e areal abaixo! Mas como não tenho uma só minha, ir à praia é um acto demasiado social.

Porque se começar a pensar nas virilhas mal depiladas, nas outras - nem bem nem mal - simplesmente não depiladas, nas crianças a fazer chichi na água com a autorização dos pais (Tens chichi? Vai ali fazer à água!), nos pseudo-Zezé Camarinha enfiados na sua cuequinha e no seu fio de ouro, nos cães desconhecidos que às vezes tomam banho ao nosso lado, nos fios dental em senhoras cujo volume de rabo é quase igual a todo o meu volume corporal, no cheirinho a batata frita, a rissol e a pastel de bacalhau que a família do lado decidiu trazer para o almoço, nas criancinhas irritantes que passam a correr e enchem de areia a toalha que acabámos de sacudir, no vizinho do lado que sacode a toalha para cima de nós, na bola que vem a voar e representa um perigo eminente para a nossa integridade cranio-facial, em todas as informações demasiado privadas que é impossível não ouvir quando o a pessoa do lado fala ao telemóvel, nos emigrantes a gritar às crianças Vien ici, Cristophe, senão levas um tabefe nessa cara!, e portanto em tudo e mais alguma coisa que decidiu acampar ali a dois metros , às vezes só um, de nós, sem pedir autorização [Claro, comigo tinha de existir um requerimento carimbado, a pedir autorização!]...se pensar nisto tudo, a vontade de ir à praia passa a ser zero. Claro que se viermos para as praias da Linha, especialmente as mais próximas de Lisboa, temos ainda essa grande referência mundial: os mitras, com os seus brinquinhos reluzente e o seu rádio ao ombro a passar Kizomba.

Eu sou uma rapariga descontraída que, geralmente, nem sequer tem nenhum tipo de constrangimento no contacto interpessoal. Mas na praia não dá, preciso do meu espaço onde nenhum pé desconhecido entre.




42 comentários:

S* disse...

Em pequena também adorava praia... e agora acho meio aborrecido. E nao gosto de me expor. Estupidez minha, bem sei.

Dexter disse...

Como eu te percebo...

Eu como moro mm ao lado da praia de Carcavelos, é natural que a frequente mais vezes que as outras, e aí vejo os espécimes todos que referiste e mais alguns...

Mas esses mitras são do melhor (not)...o brinquinho de diamante, a sobrancelha com vários cortes, os calções demasiadamente descaídos a mostrar o belo boxer branco...ao que eu me sujeito p trabalhar p o bronze...

_Malinha viajante disse...

Como te percebo qrida, uma praia pessoal seria o ideal!!:))
bjs

Patrícia disse...

Pois é, a praia está a tornar-se um amontoado de pessoas que mais parece um evento social. Eu também não gosto nada dessas situações que descreveste, mas como passo a maior parte do meu tempo na água (sim sou um patinho) até não me sinto muito incomodada. Há que saber para que praias ir. Ontem por exemplo fui para a Lagoa de Albufeira e estava-se tãããooo bem, tão pouca gente apesar do tempo estar excelente, estava-se mesmo à vontade.

Beijinhos

Jedi Master Atomic disse...

Faz como eu e vai para a praia da comporta. É longe como um raio, mas tem MUITO espaço e é de boa qualidade ;)

Menina do Mar disse...

Uma das coisas de adorei na costa vicentina foi estar deitada na praia e conseguir realmente ouvir o som do mar e das gaivotas ao fundo, em vez do barulho das mil e uma pessoas que estão ao meu lado quando vou à costa!!
Ah já para não falar nas horas na fila!! Noutro dia estive 1h30 para ir do centro da caparica para uma praia!! Daí ter decidido ir para o alentejo que leva mais ou menos o mesmo tempo...

**

Renata disse...

Olha termos a sorte de termos um paraíso pequenino só para nós, ai que maravilha, não descolava os pés da areia...
Enfim ...
Contento-me com as prais cá do norte, que ainda assim são mais serenas ou então Espanha (sim eu moro na fronteira) que lá pelo menos as coisas são um pouco diferentes, a começar pelo rissol :p
Um BEIJO CAT e que bom que estás de volta :D!

S . disse...

Praia só se for mesmo pelo mar... ai mar!
De resto... é isso tudo que referiste! E a competição de quem é que aguenta mais tempo ao sol a tostar ... --'

beijinho

pedro disse...

eu da ultima vez que fui à praia tive, que mandar uma senhora dar uma volta ao bilhar grande " Porra minha senhora sei que o areal da barra esta a ficar pequeno mas e escusado vir pra cima de mim" lol , tens uma resposta no meu blogue

Faça a Diferença !!! disse...

Post interessante,

Momentos numa praia, ou praias legal demais.

Puro relax!

Um abração,
Ricardo Sérgio

Rita disse...

Como eu adorava ter uma praia só para mim. É que era certinho e direitinho que todos os finais de tarde estava lá batida.

E tu dizes sacudar! Que engraçado XD

Daisy Maria disse...

como eu te compreendo.. aquilo cada vez se torna mais um tédio.

Lolita disse...

Pois eu também sou exactamente assim, agora só vou à praia porque gosto do tom tostadinho da pele, de sentir aquela brisa do mar e chegar a casa com a pele a cheirar a praia, mas tento sempre frequentar as praias com menos gente possível, o que por vezes é tarefa extremamente difícil. beijinho*

♥ Guida disse...

Ah, praias do cagalhoto!

Também detesto praias cheias de gente. É as baleias a darem à costa, é o pivete a protector solar de há 10 anos atrás, o cheiro a comida, o rádio com música pimba, as senhoras das bolas de berlim requentadas, os putos a jogar à bola, e essa do xixi é crítica em S. Torpes: é que a malta vai para lá porque a água é quentinha, e eu nem quero imaginar a quantidade de gente cheia de micoses e infecções que lá se decide banhar...

Acabaste de me tirar a vontade toda de ir à praia xS


Beijinho

Ana Rita disse...

Eu por acaso custumo ir a uma praia em vila do conde que é praticamente deserta, principalmente à semana. Acho que esse tipo de situações acontece mais ao fim-de-semana, que é quando toda a gente se enfia na praia e quando têm tempo para ir.

disse...

I wish querida Cat...como tu, uma praia só para mim. Por isso é que quando vou para o Algarve ando uns bons Km para chegar a uma praia quase deserta e nem ponho o pezinho nas praias logo ao lado de casa - repletas de tudo o que descreves e mais ainda.

mau feitio disse...

nao querias tu mais nada..lol
tonta
ehehe

maufeitio

Olhos Dourados disse...

E aqueles que abancam à sombra do nosso guarda-sol??

Bafejada pelas Musas disse...

loool Eu não sou mt assim. Aliás tudo à minha volta me é completamente alheio e quase nem noto. Só se forem seres bem parecidos como os nadadores salvadores torradinhos e de cabelinho clareado do solinho. Entao e nao gostas dos cheiros de pique nique? eu fico é cheiinha de inveja lol inda mais se estiver de dieta. Depois os bebes é pa acabar, conheço sempre algum:D Relaxa cat, tenta abstrair te:) senão perdes das melhores partes do verao:)*****

ADEK disse...

Oh Cat, falar de praia agora é triste:/ 1-Neuro...2-estou em Viseu e não há praia para ninguém...(Há piscina, mas não há tempo para isso). Até os dias decidiram ser cinzentos:P

*

Patrícia disse...

eu ADORO a praia.
talvez por ser uma privilegiada geográficamente falando.
litoral alentejano... um areal grande, praias com fartura (mais pequenas, maiores, com nadador, sem nadador, de nudistas, de surfistas... há de tudo). eu escolho aquelas abrigadas, muito intimistas, onde o mar quase parece uma piscina só para ti. como o mar da minha praia de eleição não é muito 'quietinho', os papás não levam muitas crianças para lá, portanto está tudo na paz do silêncio, uhuh! :)

vem de férias para cá... Sines, Porto Côvo, Milfontes... E aproveitas a praínha =)

~ rita disse...

Não podia concordar mais contigo! É que me revejo em tudinho xD

formiga disse...

Não querendo fazer pirraça...mas eu tenho uma praia so para mim!!!!!

Beijinhos querida

Rosie Dunne disse...

uma praia só para mim até era bom.
odeio quando as criançinhas fazem chichi na água, tambem. e outras das coisas que ai disseste.
ainda se a água se renovasse de meia em meia hora...

mary disse...

Realmente vendo assim é de perder a vontade de ir à praia ! :P mas ainda assim, a mim, nada tira essa vontade... mal haja sol, para mim é verão, sol, praia e agua. sou tao selvagem nesta altura que nem tiro o biquini quase. é pena que ultimamente os dias não colaborem...mas tambem é tudo uma questão de saber escolher a praia. eu que moro na linha, a uns 4min da praia, ainda consigo encontrar o meu cantinho sossegado, numa praia pequena, onde pouca gente incomoda. e é tao bom, tao bom, que pouca importa tudo o resto ^^

beijinho querida cat

entremares disse...

Cheia de preguiça, esticou os braços.
De olhos fechados, mal sentia o corpo, ainda trôpega de sono.
Apetecia-lhe voltar a mergulhar nas águas transparentes do recife, abandonar-se ao sol sobre as areias brancas, voltar a adormecer à sombra dos coqueiros.
Um torpôr agradável assaltou-lhe o corpo e ela permaneceu imóvel, de olhos fechados, em êxtase.
Podia ouvir o mar.
Ondas mansas desfaziam-se em espuma na areia. A praia, vazia, era só uma imensa extensão branca e verde, pejada aqui e ali de rochas solitárias, ainda a escorrer água da maré alta.
Mesmo de olhos fechados, era fácil imaginar o azul forte do céu, as velas brancas dos veleiros sulcando as águas, as cabanas de madeira pendendo sobre a lagoa cor de esmeralda.
E o silêncio... ah, o silêncio...
Aquela ausência aboluta de tempo, de horários, de ruídos de fundo, de jornais, de televisão...até a ausência de sapatos... só a música de fundo do bater das ondas na praia, o abanar da copa dos coqueiros e das palmeiras.
Deixou-se ficar imóvel, quase ausente do corpo, imersa em sensações de paz, de uma profunda paz que lhe tomava de assalto o espírito, como se até os próprios pensamentos surgissem agora em câmara lenta, a um ritmo quase tão lento como o próprio respirar...
Pelo menos uma vez na vida, todos deveriam poder experimentar aquela sensação de paz quase absoluta, retemperadora de forças.
O paraíso, a existir, deveria ser algo de muito semelhante...

Sentiu que a abanavam, com extremo cuidado.
Abriu os olhos.

- Mãe... – tenho fome... vem fazer-me os cereais...
- Hum... o quê?
- Tenho fome... vem dar-me de lanchar...
Esfregou os olhos, ainda estremunhada. Pela janela, conseguia distinguir perfeitamente o céu cinzento e aquelas gotas irritantes, cinzentas, de uma chuva que, apesar de maio, teimava em persistir, estragando o que prometia ter sido um óptimo fim-de-semana.
- Onde está o pai ?
- Está agarrado ao computador... tenho fome...

Virou-se para o lado no sofá.
- Vai dizer ao pai para te dar de lanchar... eu ainda vou à praia dar mais um mergulho...
- Um mergulho ? Mãe ?

Ela já deixara de o ouvir.
De olhos fechados, ouvia novamente o mar a chamá-la.
O mar, o sol, e uma praia de areia branca...

Menina do Mar disse...

"Pelo menos uma vez na vida, todos deveriam poder experimentar aquela sensação de paz quase absoluta, retemperadora de forças"
Entremares tens tanta razão!!
E como sempre, conseguiste fazer voar para o cenário que descreveste com as tua palavras...adoro as tuas histórias!! (pronto eu sei sou mto repetitiva, porque digo sempre isto, mas é verdade)

Talisca disse...

Concordo inteiramente com tudo!!!!! E o belo do garrafão??? E mais os senhores de camisa desabotoada e meias com sandálias???? Sem comentários....lol

Swadharma disse...

Gosto muito do rissol!
Mas não gosto de piscinas públicas por isso mesmo. Ok, já não podem fazer o xixi que aquilo muda de cor, mas há sempre os fluidos corporais que se intrometem por entre as moléculas de água até ao nosso corpo.
Depois há os olhares...
No mar é pior! Os peixes fazem amor naquela água! Os miúdos fazem o xixi naquela água! As algas apodrecem naquela água. Os barcos descarregam a fossa naquela água.
E o pessoal vai para lá, é atropelado por uma onda, e vem a correr, ainda a tossir, a gritar "Ai que engoli meio litro de água, lol"!
Não... engana-se!Metade eram dejectos, iodo e sódio!

*

(Não ligues, estou com tendinite e sem analgésicos em casa)

Ana Raquel disse...

LOL, ainda hoje mesmo à minha frente andava um miudo "nuínho da silva" que quando se lembrava fazia xixi...e os pais batiam palminhas...

Não acho normal!

(A visão das virilhas não depiladas tb assusta.)

*B* disse...

Cat Narizinho?!

=(

m disse...

Agora que passou pouco tempo do maior dia do ano, ou o que é, a melhor altura pra ir para a praia é mesmo por volta da 6 da tarde. Não tem a ver com o calor nem nada disso, porque eu também só vou prá praia, normalmente, à hora do cancro (12h às 15.30h). Mas tenho conhecidos que vão depois disso e é um sossego tremendo (pelo menos é o que me dizem).
Quanto à quantidade de areia que nos atiram, é muito engraçado quando se põem a fazer rodas e rodadas e a areinha vem toda pra cima de nós. Ou mesmo quando estamos na água e salpicam outra pessoa qualquer e a água vem pra cima de nós.
Mas a prainha sabe tão, mas tão bem (:
beijoquita *

Fred Eat Cock disse...

É o incómodo de ter de sair cedo de casa para não apanhar trânsito.
É o incómodo de sair cedo da Praia para não apanhar trânsito.
É ter de aturar aqueles animais todos aos saltos e a grunhir e a tocar música pimba e kisombas e o raio que os parta.
Olha, se um dia tiveres uma praia só para ti, não te esqueças de me convidar.
Prometo que me porto bem. Estendo a toalha a uma distância razoável, não levo rádio não jogo futebol e não faço xixi na água. lol

CG disse...

Por isso é que vou sempre para as pontinhas das praias e para as zonas de rochas que são as que têm sempre menos pessoas.
"Tudo ao molho" também não é para mim!
Big Kisses

Miss Kin disse...

Também tenho uma séria dificuldade com a falta de noção de meu espaço/teu espaço, das pessoas, até mesmo quando há mais espaço!
Mesmo assim, o gosto pela praia consegue sobrepor-se...

Anónimo disse...

as pessoas não são todas iguais! o mundo está cheio de gente com gostos diferentes!
se não fores á praia, olha fica mais um espaço livre para aqueles que vão, lol e agradecem lol

disse...

Nossa...me identifiquei demais com teu post! Eu me achava um pouco individualista por querer um praia só pra mim, agora me sinto mais normal!!!!rs. Valeu!!!
Eu moro no Brasil, em Florianópolis. Aqui temos muitas opções de praia, só na Ilha são 42 praias...mas as pessoas acabam sempre indo pros mesmos lugares...
Estou indo para Espanha fim do mês e depois Portugal, quais praias você me sugere???

Abraço,

Jozela
http://biquinibrasileiro.blogspot.com/

Rabisco disse...

Olá!
Compreendo-te e bem!
Sim, eu também adoro praia... mas torna-se cada vez mais insuportável ter de levar com tudo e com todos de cada vez que temos a ideia de para lá ir...
Desde a criança que não pára de atirar areia pelo ar, à mãezinha que distribui uma autêntica feijoada pela família, ao cãozinho cujo dono nem uma trela consegue carregar, até às conversas a alta voz para toda a gente ouvir e desesperar... enfim, não há pachorra...
Felizmente ainda existe uma ou outra praia onde o espaço ainda abunda...
=)
Mas, especialmente ao fim-de-semana, MEDO!!!
=)

Beijinhos

Anna disse...

Tens de tentar mais para Norte, para as praias do concelho de Torres Vedras... A água é congelante e as marés quase sempre "bravas", mas espaço e sossego tens com certeza...

Anna disse...

Tens de tentar mais para Norte, para as praias do concelho de Torres Vedras... A água é congelante e as marés quase sempre "bravas", mas espaço e sossego tens com certeza...

Anna disse...

Tens de tentar mais para Norte, para as praias do concelho de Torres Vedras... A água é congelante e as marés quase sempre "bravas", mas espaço e sossego tens com certeza...

disse...

Obrigada pela dica!!!

Abraço,

Jozela Gama

http://biquinibrasileiro.blogspot.com/